Violoncelo em dose dupla

Michal Nesterowicz, regente convidado
Pablo Ferrández, violoncelo

|    Presto

|    Veloce

SIBELIUS
HAYDN
KORNGOLD
SIBELIUS
Pelléas et Mélisande, op. 46
Concerto para violoncelo em Dó maior, Hob. VII b:1
Concerto para violoncelo em Dó maior, op. 37
Sinfonia nº 3 em Dó maior, op. 52

Michal Nesterowicz, regente convidado

Desde que venceu o Concurso de Regência de Cadaqués, na Espanha, em 2008, o polonês Michal Nesterowicz passou a conduzir muitas das principais orquestras europeias, com passagens aclamadas pela Itália, Polônia, França, Alemanha e Reino Unido. Recentemente, fez sua estreia com a Orquestra Real do Concertgebouw e realizou suas primeiras apresentações com a Orquestra do Konzerthaus, em Berlim, e com a Tonkünstler, de Viena. Regente Principal da Orquestra Sinfônica de Tenerife (Espanha) e Principal Regente Convidado da Sinfônica de Basel (Suíça), Nesterowicz é mundialmente reconhecido por seu desempenho dinâmico e interpretações eloquentes do repertório sinfônico.

Vencedor do prêmio Jovem Artista ICMA em 2016 e do XV Concurso Internacional Tchaikovsky, Pablo Ferrández é tido pelos críticos como um dos melhores violoncelistas de sua geração. Elogiado por sua autenticidade, já se apresentou como solista com as orquestras do Teatro Mariinsky, Sinfônica de Viena, as filarmônicas de Stuttgart e de Helsinque, entre outras. Em 2017, fez sua estreia no Berliner Philharmonie com a Sinfônica Alemã em Berlim, e teve apresentações de destaque com as filarmônicas da BBC e de São Petesburgo, além de ter feito uma turnê pela Europa com a orquestra de câmara Kremerata Baltica e participado do festival Maggio Musicale Fiorentino. Já colaborou com artistas como Zubin Mehta, Valery Gergiev, Yuri Temirkanov, Adam Fischer e Anne-Sophie Mutter. Ferrández se apresenta com o Stradivarius "Lord Aylesford" (1696), cedido pela Nippon Music Foundation.

Programa de Concerto

Haydn serviu por quarenta anos como músico da poderosa família Esterházy, combinando as funções de regente e compositor. Lá, Haydn dispunha de uma excelente orquestra, permanentemente disponível para a imediata execução de suas obras. Na corte de Esterházy havia solistas brilhantes, como os violoncelistas Anton Kraft e Joseph Weigl, para quem o compositor escreveu vários Concertos, cuja maioria se perdeu. Algumas dessas partituras, pelo caráter utilitário e imediatista de sua gênese, permaneceram apenas esboçadas; outras foram destruídas no incêndio da Casa de Ópera de Eszterháza (1779) e muitas se extraviaram. Alguns manuscritos só recentemente foram descobertos, como é o caso do Concerto para Violoncelo em Dó Maior, cujo tema principal do primeiro movimento fora anotado pelo próprio Haydn no catálogo de suas obras, datado de 1765. A partitura foi reconstituída a partir das partes orquestrais encontradas por um zeloso bibliotecário de Praga, em 1961. Desde então, por suas inegáveis qualidades, o Concerto se impôs imediatamente ao repertório.

7 jun 2018
quinta-feira, 20h30

Sala Minas Gerais
de R$ 22,00 a R$ 116,00
|    mais informações sobre ingressos

8 jun 2018
sexta-feira, 20h30

Sala Minas Gerais
de R$ 22,00 a R$ 116,00
|    mais informações sobre ingressos
Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 07/06/2018 8:30 PM America/Sao_Paulo Violoncelo em dose dupla false DD/MM/YYYY
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30