A serenata e a sinfonia – filho

Fabio Mechetti, regente

|    Veloce 2021

MOZART
KALINNIKOV
Serenata nº 9 em Ré maior, "Posthorn"
Sinfonia nº 1 em sol menor

Fabio Mechetti, regente

Natural de São Paulo, Fabio Mechetti é Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Minas Gerais desde 2008, ano de sua criação. Em 2014, ao ser convidado para ocupar o cargo de Regente Principal da Filarmônica da Malásia, tornou-se o primeiro brasileiro a dirigir uma orquestra asiática. Foi Residente da Sinfônica de San Diego, Titular das sinfônicas de Syracuse, Spokane e Jacksonville, sendo agora Regente Emérito das duas últimas. Foi Regente Associado de Mstislav Rostropovich na Sinfônica Nacional de Washington. Além de uma sólida carreira nos Estados Unidos e no Brasil, já conduziu em países como México, Peru, Venezuela, Nova Zelândia, Espanha, Japão, Escócia, Finlândia, Canadá, Suécia e Itália. Mechetti é vencedor do Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko. Possui títulos de mestrado em Composição e em Regência pela Juilliard School.

Programa de Concerto

Serenata nº 9 em Ré maior, "Posthorn" | MOZART

Encomendada para a cerimônia de encerramento do ano letivo da Universidade de Salzburgo, a Serenata K. 320 foi composta e estreada em 1779, quando o compositor ainda residia em sua cidade natal. Na instrumentação, que valoriza particularmente os instrumentos de sopro, Mozart elabora trechos relevantes para a flauta e o oboé (como no terceiro e quarto movimentos) e inclui de maneira inusitada partes para o flautim no segundo minueto e um solo para a trompa de posta. Em uma época em que o e-mail sequer era concebido e na qual a eletricidade era curiosidade de circo, a chegada e saída dos correios, único meio de comunicação a distância, era um evento importante. Ele era anunciado, dentre outras coisas, por um toque de trompa. Da mesma forma que, em nossas cidades históricas, cada tipo de badalada dos sinos das igrejas tem um significado específico, o toque da trompa de posta era imediatamente reconhecível e distinto do toque da trompa de caça, usado obviamente para as caçadas. Ouve-se esse solo de trompa no segundo trio do segundo minueto, o que conferiu o subtítulo à obra.

Dedicada a Semyon Kruglikov, Kalinnikov escreveu sua Primeira Sinfonia em Ialta, no ano de 1895. Kruglikov, crítico musical importante de Moscou, amigo e ex-professor do compositor, caiu de amores pela obra e enviou uma cópia a Rimsky-Korsakov, na época a personalidade musical mais importante da Rússia. O nacionalista Korsakov recusou-se a regê-la, curiosamente, por conter, no primeiro movimento, “uma melodia excessivamente russa”. Ao que tudo indica, a recusa se deveu não à obra propriamente dita, mas ao fato de Korsakov e seus antigos amigos de São Petersburgo, o chamado Grupo dos Cinco, cultivarem há muito o hábito de rejeitar qualquer música vinda de Moscou. A Sinfonia nº 1 de Kallinikov, no entanto, parece produzir a fusão perfeita entre as duas principais correntes musicais russas do final do século XIX: de Moscou, lança mão do lirismo e de um certo refinamento orquestral inspirados em Tchaikovsky; de São Petersburgo, resgata a estruturação musical e o uso de material folclórico à moda dos compositores do Grupo dos Cinco, especialmente Borodin. A obra foi estreada em Kiev, em 1897, pela Sociedade de Música Russa, e foi um sucesso. Seguiram-se concertos em Moscou, Viena, Berlim, Paris e Londres, para logo depois, inexplicavelmente, cair no esquecimento. Injustamente negligenciada no ocidente, a obra de Vasily Sergeyevich Kallinikov (1866–1901), compositor cujos 150 anos celebramos em 2016, guarda ainda um intocado frescor da vida musical russa do final do século XIX.