O sopro encantador da flauta

José Soares, regente
Cássia Lima, flauta

|    Presto

|    Veloce

SMETANA
REINECKE
SCHUMANN
A noiva vendida: Abertura
Concerto para flauta em Ré maior, op. 283
Sinfonia n° 3 em Mi bemol maior, op. 97, “Renana”

José Soares, regente

Natural de São Paulo, José Soares é Regente Associado da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2022, tendo sido seu Regente Assistente nas duas temporadas anteriores. Venceu o 19º Concurso Internacional de Regência de Tóquio (2021), recebendo também o prêmio do público. Bacharel em Composição pela Universidade de São Paulo, iniciou-se na música com sua mãe, Ana Yara Campos. Estudou com o maestro Claudio Cruz e teve aulas com Paavo Järvi, Neëme Järvi, Kristjan Järvi e Leonid Grin. Foi orientado por Marin Alsop, Arvo Volmer, Giancarlo Guerrero e Alexander Libreich no Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Pelo Prêmio de Regência recebido no festival, atuou como regente assistente da Osesp na temporada 2018. José Soares foi aluno do Laboratório de Regência da Filarmônica e convidado pelo maestro Fabio Mechetti a reger um dos Concertos para a Juventude da temporada 2019. Dirigiu a Osesp, a New Japan Philharmonic, Sinfônica de Hiroshima e Filarmônica de Nagoya, no Japão. Em 2024, conduzirá a Sinfônica Jovem de São Paulo e a Orquestra de Câmara de Curitiba. 

Cássia Lima é Bacharel em Flauta pela Unesp e concluiu seu mestrado e Artist Diploma na Mannes School of Music (Nova York). Foi aluna de João Dias Carrasqueira, Grace Busch, Jean-Nöel Saghaard, Marcos Kiehl e Keith Underwood. Participou dos principais festivais de música do país e venceu concursos importantes, como o II Concurso Nacional Jovens Flautistas, o Jovens Solistas da Orquestra Experimental de Repertório, a Mannes Concerto Competition e o Gregory Award. Tem ampla atuação com música de câmara, integrando o Quinteto de Sopros da Filarmônica e diversos outros grupos em Belo Horizonte. Bolsista do Tanglewood Music Center, atuou como camerista e Primeira Flauta sob regência de James Levine, Kurt Masur, Seiji Ozawa e Rafael Frühbeck de Burgos. Na Orquestra de Minnesota, foi regida por Charles Dutoit. Foi Primeira Flauta e solista da Osesp, integrando-se à Filarmônica em 2009 como Flauta Principal. Desde então, Cássia se apresentou como solista com a Orquestra várias vezes. Gravou o álbum Memória da Música Brasileira - Vol. I com o pianista Miguel Rosselini. Desde 2019, participa do Festival Artes Vertentes, em Tiradentes (MG).

Programa de Concerto

A noiva vendida: Abertura | SMETANA

No Leste Europeu, a escola tcheca de música sempre se manteve fecunda. Seu fundador, Bedrich Smetana, é símbolo de independência cultural e, com A noiva vendida, fundou a ópera no país. Composta entre 1863 e 1866, ano também de sua estreia em Praga, A noiva vendida trouxe ao “Ocidente” a consciência das peculiaridades e especificidades da música tcheca, nem tanto pela inclusão de citações de temas populares ou de danças tradicionais, mas pelo uso desse je ne sais quoi que, nas escolas nacionais, muitas vezes se confundem com exotismos. No brilho da abertura da ópera isso se afirma, não apenas em algumas harmonias, mas numa rítmica característica e em uma atmosfera festiva que mascara habilmente as danças tradicionais.

Em março de 1850, Robert Schumann aceita o cargo de diretor municipal de música de Düsseldorf, para o qual tinha sido convidado anteriormente. Chega definitivamente à cidade no dia 2 de setembro. Ali é recebido com homenagens, apresentações de suas obras, um jantar formal e um baile. A mudança de Dresden para Düsseldorf marca a passagem de um compositor liberal, voltado para si mesmo, para o funcionário público, músico e figura política. Tal mudança, de caráter social e profissional, implica readequações estéticas. Os conhecidos heterônimos utilizados pelo compositor em sua juventude — o lírico Eusebius e o vibrante e energético Florestan — saem de cena, abrindo espaço para uma linguagem menos fragmentária e mais conciliadora, mais preocupada com o público e com a transmissão de valores políticos. Desse modo, Schumann explora, ao menos nas obras para o grande público – concertos, ópera e sinfonia –, uma linguagem mais homogênea, mais sóbria, não apenas centrada em dilemas existenciais, mas também envolvida com a realidade política, com uma ideia de nacionalismo alemão. Nesse contexto, a Terceira Sinfonia emerge como articulação entre subjetividade e objetividade, mundo interior e sociedade, deslumbramento e religião. Considerada por Tchaikovsky o ponto máximo da produção de Schumann, esta obra foi composta entre os dias 2 de novembro e 9 de dezembro de 1850. Atesta Wasielewski, regente da orquestra de Düsseldorf, que a Sinfonia nº 3 em Mi bemol maior é inspirada na catedral de Colônia, que o compositor visitou em setembro de 1850 e no início de novembro do mesmo ano, nesta última vez para a elevação do Arcebispo de Colônia ao título de Cardeal.

22 ago 2024
quinta-feira, 20h30

Sala Minas Gerais

23 ago 2024
sexta-feira, 20h30

Sala Minas Gerais
Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 22/08/2024 8:30 PM America/Sao_Paulo O sopro encantador da flauta false DD/MM/YYYY
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31